Tunas do Paraná: a “Pedra Preta”

 

Tunas fica quase no final da rodovia Serra do Rastro da Serpente, a apenas 70 km de Curitiba, e já foi chamada de “Pedra Preta” na época de sua fundação. Vale a pena conhecer. 

Tunas do Paraná

 

Com cerca de 6 mil habitantes, está encravada na Serra do Mar. A economia é extrativista, destacando as atividades de reflorestamento, corte e beneficiamento de madeira (pinus e eucaliptos), e a extração de mármores e granitos. 

 

Rio Tunas

 

A área urbana da cidade é muito pequena e poucas edificações encontramos por lá. A maior parte de seus edifícios e centro comercial ficam as margens da BR 476, com vistas aos viajantes. O pequeno Rio Tunas corta a cidade ao meio. 

Tunas do Paraná

 

Rota obrigatória aos que trilham com suas motos a famosa rodovia da Serra do Rastro da Serpente, não passa desapercebida por aventureiros de todas as partes do Brasil e de outros países. 

 

Tunas do Paraná

São poucos os monumentos públicos, mas a Igreja de S. Francisco, com formato inusitado, arquitetura moderna e cheia de vidros chamou nossa atenção de pronto. A capela está num topo, ao lado de uma pequena gruta toda ornamentada com temas católicos. Uma cruz imensa em madeira faz com que seja visível de longe. 

 

Hotel Straub

 

Pernoitamos em Tunas no bom Hotel Straub, com o objetivo de conhecer um dos mais famosos parques naturais do Paraná, o Parque Campinhos, que fica a 3 km do centro da cidade. 

———————————————————————————————————————————————————————–

O PARQUE CAMPINHOS

———————————————————————————————————————————————————————–

 

Parque Campinhos

Campinhos é o primeiro Parque Estadual criado para conservar o Patrimônio Espeleológico do Paraná e tem uma área de 336,98 hectares. É uma área aberta com livre acesso para a fauna. Pode-se encontrar por lá desde um gavião-relógio como um opilião (“aranha” dentro das cavernas).  

 

Parque Campinhos

 

Morcegos, gralhas, papagaio-do-peito-roxo, pica-pau da cabeça vermelha, veado-mateiro, lontra, cutia e tantos outros também compõe a fauna local. Mas cuidado: cobras como a coral, cascavel, jaracuçu e jararaca, também dividem esse espaço.  

Tunas do Paraná

 

Era por volta das dez horas quando chegamos ao Parque Campinhos. Da BR 476 são cerca de 1 km em terra até lá. A Drag Star parece que se reencontrou com a terra e acho que até sentia saudades. 

 

Parque Campinhos

Passamos todo o dia explorando aquele lugar fantástico, com suas cavernas imensas e muito verde. Não se paga nada para entrar ou estacionar no Parque, que é aberto de quarta a domingo. A atração mais famosa é a Gruta dos Jesuítas, com cerca de 1,4 km de extensão, embora nem toda ela seja liberada ao público, por questões de segurança. Com um guia se percorre esse trecho.  

Parque Campinhos

 

O trajeto dura aproximadamente 1 hora e 20 minutos com ausência total de luz, temperatura entre 16º e 18º e umidade de 95% a 100%. Mas não é preciso temos, crianças a partir de 6 anos podem entrar, com um adulto responsável. 

 

Parque Campinhos

O lugar é bastante rústico de modo a preservar o máximo da natureza. Não há lanchonetes nem similares. O lanche deve vir de casa, porém há alguns quiosques e mesas espalhadas. Não há também placas informativas e a intenção de entrar nas cavernas devem ser agendadas com antecipação pelo fone (41) 3213-3407

 

Endereço: Rod BR-476, KM 46, -, Tunas do Paraná, CEP: 83480000 

Como chegar: De moto ou carro o acesso ao parque é feito pela Rodovia Estadual José Richa, BR 476, KM 47 “Estrada da Ribeira” 

 

———————————————————————————————————————————————————————–

CRÉDITOS

———————————————————————————————————————————————————————–

texto e Imagens: Marcos Duarte 

Mais imagens: CLIQUE AQUI

matéria especial sobre o Hotel Straub: CLIQUE AQUI

 

Conheçam também:

YOUTUBE

FOTOS 360º

TODAS AS FOTOS

 

Bibliografia:

Parque Campinhos 

Google Maps

Caboclo Turista

Gazeta do Povo

 

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário