O olhar do gavião

O olhar que o gavião tem lá nas alturas é indescritível e foi a sensação que tivemos seguindo os passos dessa ave de rapina, voando livremente no céu azul da represa de Chavantes, no Paraná.

Era nosso segundo dia de estadia em Ribeirão Claro e a curiosidade nos levou nas redondezas do Morro do Gavião, não só para apreciar a vista desse cartão postal da cidade, mas para nos entretermos com os “pilotos voadores”.


A CAMINHO DA RAMPA


Ribeirão Claro/PR

Deixamos a cidade por volta das 10h da manhã, seguindo em direção da Rampa do Índio, local onde se pratica um sem-número de atividades radicais, todas elas ligadas ao voo nos céus da cidade. Parapente, Paramotor, Paraglider, Asa Delta, Trikers, etc, são algumas delas.  Um verdadeiro sonho que Ícaro certamente não desprezaria.

Ribeirão Claro/PR

A partir do centro de Ribeirão Claro rodamos cerca de 3km em asfalto bem conservado, e outros 8 ou 9kms em terra batida entre fazendas de café e muito verde. Uma paisagem estonteante se nos apresentava a cada curva que contornávamos com nossas motos, o que nos fazia parar para curtir melhor cada segundo daquele paraíso paranaense.

Ribeirão Claro/PR

Se a Transalp estava se sentindo em casa com toda aquela terra por onde trafegávamos ligeiros, a Vovó Ténéré, com seus exatos 25 anos de idade, não deixava por menos e galgava com grande galhardia cada “costela de vaca”, cada “areia fofa” e cada trilha difícil que vinham pelo caminho. Realmente ainda era muito valente a “velha guerreira dos desertos”.

Ténéré 600

Para a nossa “vovó da marca dos três diapasões” o jeito era aproveitar ao máximo essa que seria sua última viagem ao nosso lado, já que passaria a ter novo proprietário logo que retornássemos para casa. No entanto as saudades já se prenunciavam a cada movimento da suspensão, a cada som do saudável e potente motorzão da nossa primeira big trail nacional.

 


TORRE DE PEDRA


Não teve como. Na metade do caminho precisamos dar uma parada extra para contemplarmos a “Torre de Pedra”, uma imensa formação rochosa em arenito que se assemelha a ameias de um castelo, com aproximadamente 80 metros de altura e de uma beleza ímpar.

Torre de Pedra

Se estivesse conosco o prof. Juliano Camargo, nosso amigo e anfitrião de Nova Campina/SP, certamente nos daria pertinentes aulas de geografia, quiçá nos informando que tal “pedra” seria um “morro testemunho”; que teria sobrevivido a eras geológicas de milhões (até bilhões de anos); etc. Saudades de você amigão.

Questionando na cidade, soubemos que a Torre de Pedra é um ponto turístico altamente utilizado para prática de rapel e escalada. Há algumas agências especializadas que trazem turistas para iniciarem-se na pratica de alpinismo e técnicas diversas de rapel, estando constantemente cheia de esportistas entranhados em suas escarpas.

 


NA RAMPA DO ÍNDIO


Deixamos a Torre e seguimos nosso destino naquele dia, rodando mais alguns kms até avistarmos, entre os imensos e bem cuidados pastos, e sob a admiração de alguns bovinos curiosos, o céu triscado de variadas cores das velas que voavam no alto.

Rampa do Índio

Acabávamos de contornar o Morro Gavião e a Rampa do Índio já estava a nossa frente. Ela mais parecia naquele momento um imenso box de automobilismo, cheio de trailers, pick-ups e vans, todas abarrotadas de parafernálias de voo que mal compreendíamos a utilidade, além de pessoas e “técnicos” indo e vindo com alguma peça nas mãos.

Rampa do Índio

Mal estacionamos nossas motos entre todos aqueles veículos e fomos recepcionados pelo piloto e mestre Edilson Marques Reis, que sem nenhuma delonga nos apresentou ao resto da turma e ao Reynaldo Bellia, a pessoa que nos convidou para conhecermos a “rampa” em Ribeirão Claro, e nos proporcionaria muita aventura naquele dia.

Pedra do Índio

O nome da rampa se deve ao Morro da Pedra do Índio que fica ali mesmo, que tem sobre ele uma rocha com o formato da cabeça de um índio americano. Entre conversas daqui e as “subidas e descidas” dos pilotos em nossa frente, ouvimos o “sino do almoço”, alusão ao funcionário da fazenda avisando que o “rango estava pronto”!!??

 


ALMOÇANDO NO MATO


Almoço na fazenda

Era o que faltava, imaginamos nós. Um “almoço” ali, no meio do mato? Isso mesmo, ouvimos bem e logo também fomos convidados. Como o Morro do Gavião é destino certo de esportistas de todos os ramos: ciclistas, caminhantes, motociclistas, jipeiros e muitos “voadores” de todos os tipos, os moradores dali se organizaram para cuidarem da nossa “boia”.

Almoço na fazenda

Um rancho aberto com mesa grande e longos bancos recebe a todos com a mesma cortesia. Come-se a vontade com o preço único de R$ 13,00. A variedade é pouca, mas a comida é caseira, bem feita e gostosa. Atacamos de frango e carne assada com arroz e macarronada. A bebida é a parte e predominam os refrigerantes, água e energéticos.

Bikers

A curiosidade é que ninguém “enche o prato”, afinal não dá para voltar de bike com o estômago carregado, tampouco aproveitar da brisa da represa, num voo sobre suas águas fartas e mansas. Almoçamos com um grupo de bikers de Santa Cruz do Rio Pardo que já voltavam para sua cidade, pedalando outros 54kms entre estradas asfaltadas e de terra.

 


ENTREVISTA NA RAMPA


Retornando à rampa não perdemos tempo e quisemos saber de Reynaldo tudo sobre aquele lugar; sobre os esportes ali praticados; e sobre a forma de receberem os amigos e turistas. As respostas podem ser conferidas aqui. 

 


COM O OLHAR DO GAVIÃO


Agora a porca torceria o rabo. Teríamos que aceitar o convite do Bellia para não termos nosso orgulho ferido. Voar não é nosso forte e seria extremamente difícil manter os pés longe de alguma coisa palpável como o chão, o estribo da moto, a terra firme, etc. Mas como promessa é dívida…

Jéssica Gobato

Antes de voarmos assistimos ao passeio nas alturas de Jéssica Gobato, campeã brasileira de maratona 40km remando, e Tri campeã sulamericana no K1 de velocidade em canoagem, que pousou tranquilamente ao nosso lado depois de um voo duplo com um dos pilotos presentes. Tivemos que engolir seco e criar coragem para não fazermos feio. 

Paramotor

Fomos então apresentados ao piloto e mestre Rodolfo Hammerschimdt Jr., com invejável bagagem de conhecimento em voo livre, que tinha acabado de chegar de uma Expedição de mais de 2000km entre São Vicente/SP e Montevideu, no Uruguai, voando de Paramotor (parapente com motor nas costas) sobre a orla marítima do continente.

O voo do gavião

Tratamos de começar a “vestir” a indumentária de segurança, sem ficar olhando muito para os detalhes dos fechos e tirantes e, principalmente, para o desfiladeiro em nossa frente, com vista para a imensa península e para o famoso “morro do Padilha”. Voaríamos livres como um gavião, no entanto nossa pressa era quase inexistente nesse momento.

o olhar do gavião

Esse depoimento é pessoal: “No  momento derradeiro, com várias pessoas a meu lado me prendendo com grampos por todos os cantos e tagarelando coisas incompreensíveis para mim, veio um pânico absurdo, como se eu estivesse entrando mais uma vez numa mesa de cirurgia, como aconteceu cerca de 8 vezes nesses últimos dois anos”.

O olhar do gavião

E continuo: “O pânico tomou conta de mim e praticamente travou-me por alguns segundos. Sim, alguns segundos. Depois do palavrão gritado em alto e bom som, senti-me literalmente no céu e só tinha palavras de elogios e felicidade. No quarto segundo do meu voo eu já não pretendia descer mais lá de cima, de tanta beleza e comodidade”

O olhar do gavião

Bom lembrar que antes de nos arriscarmos nesse esporte tão desconhecido para nós, fomos alertados por muitas pessoas (que hoje sabemos que são absolutamente desconhecedoras do assunto), sobre os violentos “trancos” que teríamos no ar; “o vento forte” que nos arremessaria longe; os “perigos” da vela fechar em movimento e assim por diante.

o olhar do gavião

Nosso “quinto segundo” no ar foi impressionante: Nenhuma das mãos apoiando em nada; nenhuma das pernas pressionadas de qualquer forma; nenhuma dificuldade de manusear as duas câmeras fotográficas que portávamos; nenhuma dificuldade de falar com o piloto; enfim, parecia que estávamos numa poltrona em casa.

 

o olhar do gavião

A visão? Magnífica. A princípio nos precipitamos rumo a represa, mas cadê a queda livre ou coisa assim? Nada, apenas a visão tridimensional do horizonte. Nem mesmo percebíamos que estávamos a subir. A sutileza do vento soprando contra era divina, uma brisa suave.

o olhar do gavião

Medo? Nenhum. Vontade de aterrissar? Mais tarde, talvez. Dificuldade de conversar? A mesma da nossa sala de visitas. Conforto naquela geringonça? A de uma “cadeira do papai”. Que fazer então? Apreciar a obra de Deus, sentindo o “barulhinho do silêncio” divino, indo e vindo continuamente sob a abóboda celeste, toda azulada naquele dia de outono.

o olhar do gavião

Se quando partimos da rampa seguimos “montanha abaixo”, em direção da represa de Chavantes, agora estávamos há mais de 200 metros acima de onde partimos. Para sermos mais exatos, voávamos  sobre o Morro do Gavião, que tem cerca de 400 metros de altura, a partir do nível da represa e avistávamos as motos como um pequeno ponto no gramado.

o olhar do gavião

Outra novidade para nós era que todos os pilotos ali presentes estavam conectados entre si e com a base, através de rádios potentes. Cada aeronave como a nossa seguia com uma série de instrumentos de navegação, todos compactos  e colados com velcro numa base na frente do piloto. Condições atmosféricas, previsões de chuvas, nada escapava aos pilotos.

 

ícaro

Enquanto voávamos não saía de nossa mente aquele personagem mitológico que lembramos no começo desta matéria, Ícaro, que voou revestindo seu corpo com penas, prendendo-as com cera até que essa derretesse pelo calor do sol.

o olhar do gavião

Voar, voar…Subir, subir. Ir por onde for, descer até o céu cair... O cantor Biafra foi muito feliz ao nos trazer essa música, que realmente reflete a sensação que temos lá no alto, voando como um gavião. Ele certamente realizou um voo desses em espírito, já que naquela época era quase impossível viajar no céu como estamos descrevendo nesta matéria.

 


 O POUSO DO GAVIÃO


o pouso do gavião

Usando agora a sabedoria popular, onde estamos fartos de saber que tudo que sobe, desce, chegou a hora de nosso pouso, já que estávamos há quase meia hora no ar. O vento se fazia mais forte, segundo as informações do “comandante Rodolfo”, mas não percebíamos isso lá em cima, afinal estamos acostumados a viajar de moto com vento contra a mais de 150km/h.

o pouso do gavião

Contornamos pela última vez o Morro do Gavião e o piloto Rodolfo resolveu descer na área mais sossegada da rampa, já que um voo duplo exige um cuidado maior com o passageiro, nem sempre afeito as técnicas de voo livre. Fizemos a aproximação de forma regular e em pouco tempo conseguimos pisar suavemente o chão gramado.

o pouso do gavião

Como todos nós pudemos perceber, os pilotos de parapente e congêneres usam uma espécie de mochila gigante que abrange o corpo todo. A finalidade desse equipamento, além de outras que não conseguimos desvendar nessa aventura, é amortecer as aterrissagens, que muitas vezes são feitas com “as costas”, por causa da confortável posição de pilotagem.

o pouso do gavião

Em nosso pouso sentimos realmente a necessidade desse protetor pois, já com os nossos pés no chão e com a vela caindo normalmente atrás de nós, uma rajada de vento inesperada fê-la inflar novamente e nos arrastar pelo pasto por alguns metros, repetindo essa façanha por uma segunda vez, tudo sob as gargalhadas dos presentes.

o pouso do gavião

Foi a cereja do sorvete ou a azeitona da empada, vocês decidam. Não é que alguma coisa tinha dado errado depois de tudo tão tranquilo? No entanto fechamos nosso voo com “chave de ouro“, depois de muitas risadas e bosta de vaca grudada na roupa toda. Já em terra firme desvencilhamos dos “uniformes”, com a alma lavada e uma felicidade nunca sentida. 

 

Parte desse voo você confere neste vídeo 

  


 DESPEDINDO DO GAVIÃO


Despedindo do gavião

Nosso companheiro de aventuras Celso Elez, o piloto da Ténéré 600cc que nos acompanhou em toda a aventura até  cidade de Ribeirão Claro, não foi convencido a tirar os pés do chão e ficou ali mesmo dando o suporte psicológico para nós “passarinhos”, codinome que nos é dado pelos pilotos veteranos, logo após termos concluído nosso primeiro voo livre.

Deixando o Morro do Gavião

Depois de muita conversa jogada fora e da promessa de retornarmos para outros voos mais demorados por aquelas plagas paranaenses, despedimos de todos e colocamos novamente nossa moto na estrada para retornarmos para a cidade que nos acolhia. Um bom descanso nos aguardava, quando colocaríamos em dia os novos sentimentos que nos afloravam no íntimo.

O convite do Reynaldo Bellia é extensiva para todos nós: “A rampa do índio está a disposição de todos aqueles que vierem com o espírito puro e a real vontade de flutuar sobre as águas e as montanhas”.

Conheça o caminho para a rampa 

 

Você gostou da matéria? então faça seu comentário aqui e curta nossa página no Facebook

 


OUTRAS MATÉRIAS RELACIONADAS COM ESTA


TÉNÉRÉ 600: POR TERRA, ÁGUA E AR

 

 

 

 

  

NAVEGANDO NO MAR DOCE

 

 

 

 

POUSADA VICTOR

 

 

 

 

NAVEGANDO COM FÉ

 

   

 

 

1º PASSEIO JACAREZINHO

 

 

 

 

VEJA AQUI TODAS AS FOTOS

 


CRÉDITOS


Texto e Edição: Marcos Duarte     

Fotos e vídeos: Marcos Duarte  e Celso Elez

conheçam também:

VIDEOS YOUTUBE

FOTOS DO FLICKR

FOTOS 360º  

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário