Natal em Nazaré

Que tal curtir o Natal numa cidadezinha pacata, ao lado da Grande São Paulo, e ainda ter o prazer de pilotar entre as belezas de um dos mais bonitos Parques do Brasil?

(clique nas fotos para abrir) 

Nazaré Paulista

Pois é isso mesmo: O caminho para Nazaré Paulista é bastante simples para o paulistano, como para aventureiros de todas as partes do Estado de São Paulo e até do Brasil. Nazaré fica as margens da Rodovia Pedro I, na altura do km 52. 

Chegando em Nazaré

Nazaré Paulista

A bela represa formada pelo Rio Atibainha é o ponto alto da cidade e faz parte de seu cartão postal. Lá os esportes aquáticos reinam soltos para todos os públicos e gostos. É possível curtir a “prainha” próximo ao centro, bem como se deleitar a bordo da lanchas e jet-skys por suas águas calmas. 

Nazaré Paulista

A cidade é dividida em duas metades. A parte antiga e mais nostálgica, onde fica a Prefeitura, Igreja Matriz, bancos e pontos comerciais; e a parte nova, “do outro lado da pista”, onde fica o Fórum e vários bairros residenciais.

Nazaré Paulista

A população de Nazaré não ultrapassa a 15.000 habitantes, menos que alguns bairros da grande São Paulo. Suas ruazinhas são estreitas e íngremes, e dificilmente encontramos nelas casas de um pavimento só, já que pelas inclinações das ruas, fica quase impossível não construir em dois níveis. 

PELAS RUAS DE NAZARÉ 

 

Nazaré Paulista

Deixando nossos problemas em casa, lá é lugar de sossego e meditação para os mais românticos, que podem curtir o casario e a população bastante sossegada; ou de extrema agitação, se a pedida for as vasculhar as trilhas, cachoeiras ou a própria represa.  

 _____________________________________________________________________________________________

NATAL EM NAZARÉ

_____________________________________________________________________________________________

Nazaré Paulista

A festa do Natal, em especial, tem um cunho bastante forte na cidade e a população toda se concentra para comemorar essa data singela. Sempre com decoração bem feita, ainda que simples, à famosa “missa do galo” acorre toda a população católica da cidade, com grande esmero de roupas e pompa.

Nazaré Paulista

Sediados na cidade nessa noite maior, foi possível vermos ao longe o contorno da ponte sobre a represa e os carros transitando estrada afora, desavisados do que acontece ali, naquela cidadezinha encantadora. Do alto da Praça da Matriz podíamos ouvir, além do coro da Igreja, os festejos de cada casa entre as ladeiras da cidade.

Nazaré Paulista

Conforme a noite ia se adensando, percebíamos que o recolhimento de todos ia se tornando cada vez maior. Do alto era possível avistar carros que chegavam apressados pela estradinha estreita e outros tantos que se partiam ligeiros, levando presentes e guloseimas para a ceia vindoura. 

Nazaré Paulista

No meio desse clima nostálgico imaginavamos estar ouvindo hinos de hosanas entre o vento e as montanhas, como se a carruagem celeste pairasse sobre aquele lugar mágico naquela noite santa. As horas passavam vagarosas e embriagava-nos o coração. 

 _____________________________________________________________________________________________

NAS TRILHAS DE NAZARÉ

_____________________________________________________________________________________________

Nazaré Paulista

Já a manhã seguinte procuramos o campo, o ar puro, e as belezas escondidas na mata. Ainda com algum nevoeiro acabamos deixando a parte central da cidade, já que seria seria conhecermos o “Cruzeiro do mirante”, do outro lado da pista. A oportunidade também sugeria dar uma especulada nessa “Nova Nazaré”, além ponte. 

Narazé Paulista

Rodamos pelas ruas singelas daquela localidade, ainda sonolenta pela noite festiva que mal terminara. Conhecemos algumas pracinhas e o comércio local daquele “outro lado” e logo seguimos montanha acima. A subida é forte e constante.

Nazaré Paulista

Lá no topo encontramos o famoso Cruzeiro. Escultura singela e trivial, marca a bifurcação de duas estradinhas de terra a nos convidarem rumo ao desconhecido. Lá do alto a vista da cidade é impressionantemente linda. O asfalto cedia lugar à terra batida e esta às trilhas. 

Nazaré Paulista

Hora de firmar os pés nos estribos e curtir essa beleza. Em nosso passeio o chão ainda estava úmido da chuva do dia anterior, assim não tínhamos poeira alguma. A valente Drag Star percorreu bem essas estradinhas e, em pouco tempo estávamos próximo a cachoeira dos “quatro cantos”.

Nazaré Paulista

Se quiser um “dedo de prosa” é só dar uma paradinha na vendinha próxima da cachoeira. Muitos “causos” envolvendo cavalos, charretes, motos e assombrações por aquelas bandas são contados entre muita bebida e gargalhadas.  

Nazaré Paulista

Depois de muito caminho andado deixamos o lugar e fomos tratar do estômago, no centro antigo da cidade. Lá do alto a vista continuava mais linda ainda. Era possível ver embarcações “riscando” as águas da represa, enquanto saboreávamos lauta refeição caseira num ambiente agradável. 

Nazaré Paulista

O descanso “pós refeição” era para ser feito na “prainha”, local bastante popular é frequentado por quase todos da cidade. O nome sugestivo indicava um “mar de água doce” onde, no lugar da areia havia terra vermelha; e no das ondas o frescor do ar.

Nazaré Paulista

No entanto mal chegamos e saímos. Não havia qualquer estrutura que desse suporte ao usuário, nem mesmo um “guarda vidas”. Os que se aventuravam por lá o faziam por falta de outra opção. A segurança era zero e os raros lugares para se tomar um refrigerante ou um salgadinho eram os ambulantes improvisados. 

Nazaré Paulista

O jeito foi abortar aquele passeio e seguir pela estradinha que contornava a represa em direção da cidade, por outro caminho. Aí sim o passeio foi gratificante. O trecho de cerca de 5km pode ser desfrutado com todo o sossego, garantido por espaços onde podíamos ter uma vista magnífica das águas da linda represa.

CONTORNANDO A REPRESA

 

_____________________________________________________________________________________________

O RETORNO

_____________________________________________________________________________________________

Nazaré Paulista

Por volta do final da tarde o caminho de volta à capital foi iniciado, Se chegamos pela Fernão Dias e D Pedro I, a volta seria pela gostosa SP 036 até a estrada do Rio Acima, que vai até Mairiporã. Daí até São Paulo fizemos pela Estrada de Santa Isabel, cortando a Serra da Cantareira e margeando pequenos rios. 

Mairiporã

Em pouco tempo estávamos nas imediações de São Paulo, no Parque da Cantareira, com aquela vontade de quero mais. Este passeio narrado durou dois dias, mas você pode fazer esse percurso num bate e volta simples, saindo da capital pela manha e retornando no começo da tarde, e mesmo assim curtir bons momentos nas estradas. 

 O RETORNO

 

Proteção na estrada

De qualquer forma vale sempre o aviso: moto revisada, roupas apropriadas e prudencia ao pilotar. Esses ingredientes são indispensáveis ao prolongamento de nossos prazeres ao longo da vida.

FGALERIA DE TODAS AS FOTOS DESTA MATÉRIAE


CRÉDITOS


FOTOS e TEXTO: Marcos Duarte

VÍDEOS/EDIÇÃO: Marcos Duarte

YOUTUBE

FOTOS 360º

FLICKR

  

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário