N. CAMPINA = Barreiro e ORSA

 

Acordamos cedo para nosso terceiro dia do Projeto: Cânions paulistas. A manhã estava linda e ensolarada, apesar da época de inverno. Hoje faríamos o circuito “das águas” e teríamos outro guia conosco. Vamos ver? 

Nova Campina

Logo após o café da manhã no centro da cidade, preparamos a Transalp para mais um dia de aventura entre os cânions de Nova Campina. Já tínhamos visitado o Mirante do Cedro, os Fornos da Fracarolli, o Mirante do Estreito, e os Mirantes da Borda e do Macaco. Que nos reservaria Juliano e Galdino para aquele domingo?

Rumo ao Barreiro

Juliano Camargo, nosso guia e professor de dois dias consecutivos, não quis ir na garupa da Transalp, tampouco na da Bros 125, preferindo seguir com seu Ford Ka até o local do passeio. Como Galdino Júnior fosse esperar próximo do primeiro destino daquele dia, seguimos o carro de Juliano pela estrada, até o lugar combinado.

Rumo ao Barreiro

Depois de dois dias percorrendo as entranhas dos vales e chapadas, por cerca de 150km por estradas de terra, picadas no mato e algumas trilhas, agora tínhamos que aguentar o asfalto ruim (pior que terra) e os (maus) motoristas de plantão, que abusavam de seus veículos, ultrapassando em lugares impróprios e podendo causar acidentes em cada curva.

rumo ao Barreiro

Como a maior parte da frota de caminhões e utilitários utilizados pelas empresas da cidade estavam guardados naquele final de semana, as vias de trafego ficavam em sua maioria por conta dos “sabadeiros e domingueiros”, desacostumados de conduzir veículos automotores, e era o que nos causava uma certa apreensão ao pilotar.

Rumo ao Barreiro

O consolo é que não rodaríamos mais de 10kms naquele trecho de estrada. De qualquer forma, em pouco tempo avistamos nosso amigo Galdino às margens da rodovia, nos aguardando. Só com um breve aceno de mãos e nenhuma palavra trocada, mantivemos um contato rápido e seguimos direto para nosso primeiro passeio do dia, e que nós ignorávamos por completo onde seria.

No Barreiro

Rodamos menos de 1km a mais por asfalto e derivamos por dentro de um conjunto de casas isoladas do “Barreiro”. O trecho consistia praticamente numa única rua em blocos de cimento, com casas e chácaras simples dos dois lados, porém muito limpas, bem conservadas e bonitas. O final da rua convergia numa estradinha de terra.

No Barreiro

Seguimos outros 1km por esse caminho sob pinheiros frondosos, quase sem conseguir ver o chão puro, que deveria ser de terra vermelha, dado a quantidade de folhas e galhetos espalhados pelo piso, tirando a aderência dos pneus das motos, se fosse necessário usar para valer. Enquanto isso Juliano tentava acesso com seu Ford Ka.

No Barreiro

Nossa jornada desta vez logo teve um fim, algumas curvas abaixo de onde começamos, e não pudemos mais continuar a bordo de nossas motos, menos ainda com o Juliano com o carro que estava. Arrumamos um espaço seguro entre as árvores e seguimos o resto do caminho a pé. Mesmo ao longe já pudemos imaginar o que viria pela frente.

A caminho do Barreiro

  


 NA CACHOEIRA DO BARREIRO


 

Cachoeira do Barreiro

O Barulho de águas era intenso, prenunciando alguma cachoeira de porte pelas imediações. E não é que tínhamos razão? Para chegarmos até ela caminhamos pelo meio da plantação de pinus e depois pela mata fechada em declive acentuado. Em minutos estávamos na cabeceira da Cachoeira do Barreiro, ou Cachoeira do Sguario, para quem assim desejar.

Cachoeira do Barreiro

O nome “Barreiro” foi dado à cachoeira em homenagem ao fato da referida queda d´água estar situada no bairro desse nome; já o título de Cachoeira do “Sguario” provém do nome da empresa Agro Florestal Sguario, proprietária das terras onde está localizada a cachoeira. De nossa parte vamos denomina-la como “Cachoeira do Barreiro”, em homenagem aos nossos amigos

Cachoeira do Barreiro

Chegamos e logo percebemos que a queda d´água iniciava-se bem aos nossos pés e precipitava-se pedra abaixo, por cerca de 30 metros de um véu branco e espumante. Segundo consta, em época de chuvas a cachoeira praticamente desaparece, dando lugar a um fluxo gigante de água, dado ao volume imenso de líquidos concentrados em sua cabeceira.

Cachoeira do Barreiro

Aproximamos do topo da cachoeira e logo percebemos que o espaço que a precede tem o aspecto de uma pequena “viela de pedra”, com cerca de quatro metros de largura e o mesmo tanto de altura. Todo o rio Taquari Guaçu, antes de chegar à esse ponto, converge incontinenti para esse estreitamento natural na rocha sólida.

Cachoeira do Barreiro

Nos esgueiramos cuidadosos para bem próximo daquele lugar inusitado e, quase dentro desse pequeno estreitamento, bem no ângulo que as águas se precipitam, conseguimos gravar imagens para que você, amigo leitor, tenha uma ideia exata das belezas encontradas em Nova Campina, e que até hoje estão escondidas do público naquele paraíso.

Cachoeira do Barreiro

Enquanto estávamos explorando na cabeceira da cachoeira com o Galdino, que nos orientava, Juliano já tinha se desvencilhado de nós e se aventurado na parte baixa do rio, buscando colher imagens por um ângulo mais dinâmico. E não é que deu certo? Assim que o percebemos na manobra tratamos logo de mandar abraços para todo mundo, lá de cima.

A força das águas

 

Cachoeira do Barreiro

Galdino contou-nos que trabalha durante a semana como operador de máquinas na empresa ORSA e que somente nas horas de folga, juntamente com Juliano, seu amigo de infância e sócio na empreitada, se inflamam pelas florestas e mirantes, levando visitantes e aventureiros de várias cidades para conhecerem essas belezas.

Cachoeira do Barreiro

Ambos são autodidatas como “monitores”, porém já participaram e ministraram cursos dessa especialidade na sua cidade, escassa dessa qualificação profissional. Como são considerados “autoridades no assunto”, pela administração pública, ambos se empenham na regulamentação da atividade no município, em busca da incrementação do turismo.

Cachoeira do Barreiro

Entre essas conversas e questionamentos fomos nós também descendo “montanha abaixo”, em busca de um outro ponto de vista daquela cachoeira fantástica. Nosso terceiro dia de viagem estava tranquilo e dispúnhamos de mais tempo, não só para fotografar e filmar, mas para curtir um pouco mais daquela natureza exuberante, em que fazíamos parte naquele momento.

Cachoeira do Barreiro

Na “picada” da mata fechada que descíamos, Galdino foi explicando as características de algumas espécies de plantas que mostravam marcas vermelhas, como se tivessem sido pintadas. Disse que esse líquido agora seco era expelido pela própria árvore, e que em alguns momentos aquelas “tinturas” ganham características fosforescentes.

Cachoeira do Barreiro

Descemos uma pedra aqui, escorregamos em outra ali e em pouco tempo chegamos na parte baixa da cachoeira para juntarmos ao Juliano. Aproveitamos a magnífica visão das águas caindo, que formava um cenário estupendo, para conversarmos melhor com o Galdino sobre seu trabalho como monitor, como motociclista e como cidadão de Nova Campina.

Entrevistando o Galdino

  

Cachoeira do Barreiro

Mais acanhado e extrovertido que o Juliano, Galdino guiava-nos com bastante competência e entusiasmo. Ao que nos pareceu a primeira vista, Galdino tinha muito mais intimidade com as “coisas do floresta”, enquanto Juliano, mais jovem, demonstrava um conhecimento técnico-cientifico espetacular. Um completando o outro, com certeza.

Cachoeira do Barreiro

A visão frontal da queda d´água principal é fantástica daquele ponto onde estávamos. Na verdade poderíamos dizer “quedas d´águas”, no plural, dado a quantidade de outras minúsculas precipitações logo em seguida da queda maior. Não poderíamos perder essa imagem tão representativa da cachoeira e recorremos, de pronto, ao utilíssimo “pau de selfie”.

Pau de Selfie

Sabemos que tal acessório está na moda, mas infelizmente não tínhamos um em nossas mãos naquela hora. O que fazer então? Improvisar, é claro. Um galho forte retirado da mata foi nossa salvação. Nele prendemos e amarramos nossa micro câmera de ação. O medo maior era do galho se partir e perdermos a filmadora. Mesmo assim, arriscamos.

Cachoeira do Barreiro

As imagens ficaram fantásticas, como era de se esperar numa situação daquelas. Logo depois nos alojamos ao lado de umas pedras próximas, para fazer um pequeno lanche, tomando água fresca diretamente da nascente, porém recolhemos tudo antes de voltarmos, afinal, temos que colaborar para que outros possam ter a mesma boa impressão que tivemos de lá. 

Cachoeira do Barreiro

Cachoeira do Barreiro

Já se aproximava das 13 horas quando deixamos a Cachoeira. Por se tratar de domingo, dia dos pais, Galdino e Juliano teriam suas obrigações familiares e evidentemente não impediríamos. Aos festejos da data se dedicariam a partir desse horário e cabia a nós agradecer-lhes a companhia e desejar sucesso na empreitada esposada.  

No Barreiro

A dupla de guias retornou aos seus afazeres e nós, com a vontade de explorar outros sítios e talvez para almoçar em algum lugar, já que havia a possibilidade de existir algum restaurante ou lanchonete na beira da estrada, seguimos para ver até onde ela iria dar. E não é que deu? Um restaurante simples nos convidou pelo visual, porém estava fechado. E agora?  

 


 NA ORSA


 

Restaurante da ORSA

O melhor conselho veio de alguns motoristas de caminhão que se reuniam ali. “Vá almoçar no restaurante da ORSA, é ali mesmo”. E apontaram com o dedo. Chegamos lá meio desconfiados, afinal: Almoçar numa fábrica? Isso mesmo, o refeitório serve também ao público em geral, quase inexistente por lá, assim como os restaurantes. O lugar, entretanto, era um sonho. 

Lago das Carpas da Orsa

Por que falarmos da ORSA nesta matéria? Simples. Pelo mesmo motivo que falamos do Baden Baden em Campos do Jordão; do Shopping Serra Azul, ou ainda de um Rockefeller Center ou da Disney nos EUA. A empresa, com três polos industriais no Brasil, mantem um dos maiores em Nova Campina e chega a produzir 1 milhão de toneladas de papel ao ano.

Cachoeira da ORSA

Só isso? Não. Em suas terras, na cidade de Nova Campina, estão confiadas muitas belezas naturais que a empresa preserva, sempre admitindo visitas, desde que devidamente monitoradas, de modo a manter a sustentabilidade de suas atividades, sem prejuízo do planeta. É incrível parar na estrada e ver a Cachoeira da Orsa “cair… dentro da fábrica”. 

Lago de Carpas da Orsa

Na frente do restaurante/refeitório há um imenso jardim público, com cachoeiras artificiais e lagos em vários níveis, onde vivem carpas e peixes ornamentais de muita beleza. Ao analisarmos a decoração esmerada, as “pontinhas” graciosas, a iluminação especial e outros ornamentos, imaginamos que a empresa fosse de origem japonesa.

Restaurante da Orsa

Ledo engano. A ORSA, antiga empresa nacional, hoje pertence a americana International Paper. Como a fome já estava apertando, deixamos para curtir o jardim e tirar fotos depois do almoço. Alguns funcionários estavam por lá naquele dia e todos nos recepcionaram com bastante cortesia, questionando sobre a moto, nosso projeto, etc.

Restaurante da Orsa

Com as informações que nos prestaram chegamos ao salão de refeições. Imenso, arejado, claro, limpo. Um buffet completo nos aguardava a um canto e fomos servidos por funcionário especializado, de modo a garantir a higiene e organização. Optamos provar o Capeletti ao molho, carne assada e um “escondidinho” de carne seca”. Para acompanhar, um suco de uva.

Restaurante da Orsa

Poderíamos repetir quantas vezes quiséssemos, já que havia mais opções de cardápio, mas ficamos no trivial mesmo. Só o suco de uva repetimos algumas vezes e era possível servirmos dele pessoalmente. De sobremesa nos ofereceram uma paçoquinha naquele dia, mas no cotidiano servem outros doces. O preço final? De tudo?  R$ 8,00. Saímos satisfeitíssimos.

Restaurante da Orsa

Podemos garantir, sem a menor dúvida de errar, que o Restaurante/refeitório da Orsa é um dos melhores lugares para uma boa refeição na cidade de Nova Campina, sentido, apenas, de não estar próximo da cidade e de não ser possível fazer nele aquele “happy hour” das sextas feiras. Mas vale a pena, é um oásis no meio de tanta areia branca da região.

Lago das Carpas da Orsa

Com a barriga cheia voltamos ao “Jardim” para o devido descanso, afinal, também nós não somos de ferro. Espreguiçamos molemente no gramado ouvindo o barulho suave das águas do parque, bem como o ruído mais longínquo do Rio Taquari Guacu e das caldeiras da fábrica. Se ficássemos mais, certamente dormiríamos sobre a grama verde. 

Rumo à ORSA

  

Findo nosso passeio dominical, voltamos à Nova Campina no meio da tarde. O cansaço já tinha batido forte e aproveitaríamos a tarde para conhecer melhor a cidade, em pleno domingo do dia dos pais.

 

 

ACOMPANHE AQUI TODAS AS AVENTURAS DO NOSSO PROJETO:

CÂNIONS PAULISTAS       

                

 

TODA A SAGA DOS CÂNIONS (em quadrinhos) AQUI

   

  

FGALERIA  DE  FOTOS  DESTA  MATÉRIAE

 

 


 CRÉDITOS


 

FOTOS: Marcos DuarteJuliano Camargo e Galdino Júnior

VÍDEOS/EDIÇÃO: Marcos Duarte

CONSULTORES TÉCNICOS: Juliano Camargo e Galdino Júnior 

Conheçam também:

YOUTUBE

FOTOS 360º

FLICKR

 

Bibliografia de suporte: 

BLOG DO JULIANO – http://julianocamargo.blogspot.com.br/

SITE OFICIAL NOVA CAMPINAhttp://www.novacampina.sp.gov.br/

 

Agradecimentos especiais

Juliano Camargo e Galdino Júnior por toda a assistência técnica no Projeto Cânions paulistas

Sra. Marisa Bernardo de Freitas = Secretária de Cultura e Turismo de Nova Campina

Sr. Nilton Ferreira da Silva = Prefeito de Nova Campina

Aos proprietários das terras e áreas onde fizemos nossa matéria, que gentilmente autorizaram nossa entrada de forma a contribuir com a divulgação das belezas naturais de nosso país.

 QUER SE AVENTURAR

Galdino e Juliano

sObRe RoChAs?  Contate antes o grupo de apoio de Juliano e Galdino e tenha uma estadia perfeita em Nova Campina (15) 9-9606-3441 

 

 

 

 

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário