MQs = Alambari de Baixo

  

Esta caverna proporciona uma das experiências mais emocionantes que o visitante pode levar do PETAR. Sua entrada é gigantesca, com bela vista dos raios solares ao amanhecer. Um rio no seu interior dá a emoção desejada pelos aventureiros. Em alguns trechos a água ultrapassa a cintura. 

A caverna Alambari de Baixo tem este nome em homenagem ao rio que avança em seu interior: o Rio Alambari, que vem da região “dos Camargos”. De Baixo porque existem duas cavernas nesta região com o mesmo nome: a outra se chama Alambari de Cima.

Esta caverna tem 890m de desenvolvimento e 32m de desnível, dados colhidos em seu mapeamento. Isso significa que, somadas todas as galerias, chegaríamos nessa metragem. Já o desnível é a diferença de altitude da boca de entrada para a boca da saída. Nesta caverna temos duas entradas/saídas: uma maior, de um lado do morro;  e outra menor, do outro lado. 

Logo no início a caverna abre-se num grande salão, que é iluminado pela luz indireta do sol, com visual deslumbrante. O visitante deve descer sobre grandes blocos de rochas até encontrar novamente o Rio Alambari, agora no interior da caverna. Seguindo seu leito, com média de 30cm de profundidade, vamos observar o efeito da água escavando o maciço de calcário. É um imenso conduto subterrâneo, que escoa a água de um lado para o outro. 

No trecho final de “saída” o rio costuma estar mais fundo, variando entre 1m a 1,7m, havendo necessidade de uso de cordas para auxiliar na travessia, principalmente nos trechos mais profundos. ver mais

 

MOTOTURISMO EM QUADRINHOS?

VOCÊ SÓ VÊ AQUI. 

 

 

NOVAS AVENTURAS 

A SAGA COMPLETA DO PETAR ESTÁ AQUI

       

      

 


CRÉDITOS


Fotos e Edição: Marcos Duarte

 conheçam também:

VIDEOS YOUTUBE

FOTOS DO FLICKR

FOTOS 360º

SAIBA MAIS SOBRE CAVERNA ALAMBARI DE BAIXO

 

 

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário