ITU = Seminário do Carmo

Se perguntarmos para algum Ituano onde fica a Praça da Independência, com certeza teremos muitas respostas negativas. Mas, se perguntarmos pela Praça do Carmo (que é a mesma) com certeza não há quem não a conheça. Com suas imponentes palmeiras imperiais, bosque de árvores centenárias, fonte com chafariz musicado, a praça é vista de longe  

Largo do Carmo

O imenso largo abriga num de seus extremos o Seminário N. Sra. do Carmo, construído para ser Convento em 1719, por ordem de D. João V. A atual Igreja, anexa ao convento, é de 1774 e é uma das poucas que mantem praticamente todas as características originais. O Seminário, que completou o conjunto arquiteônico, muito rico, só foi concluído em 1782. 

 

interior

O desenho da igreja partiu de Miguel Francisco, que também edificou os seis altares para as imagens do “triunfo” em tamanho natural. Porém os nichos ficaram pequenos demais para as obras de arte e o artista precisou fazer alterações, “aumentando” os espaços, remendos esses que duram até os dias atuais.   

 

cristo

Ainda assim todo o conjunto se destaca pela riqueza artística de seus monumentos e imagens barrocas vindo do Rio de Janeiro, de autoria de Pedro da Cunha, entre elas o “Jesus crucificado”, que é tida como uma das grandes representações do barroco no Brasil e está fixada bem na entrada da Igreja, ao lado da porta principal.  

 

teto altar mor

O teto do altar-mor, em estilo mariano (em curva), teria sido pintado(*) pelo Padre Jesuíno do Monte Carmelo que, segundo Mario de Andrade, quis representar uma festa no céu. Entre os anjos retratados por Jesuíno estaria um de cor mulata, origem do autor, o que na época teria causado grande alvoroço em uma sociedade branca. Agora restou claro que a pintura original era outra.

 

altar

Houve restaurações na Igreja em 1861 e em 1918. Essa última contou com colaboração de Demétrio Blackman, pintor e gravador e Fernando Frich, escultor. Após 1960, com a obrigação legal de se rezar missa em língua local (era só em latim) a igreja passou a ter bancos em seu interior. Os fiéis até então ficavam em pé, salvo os da alta sociedade, que tinham camarotes ou cadeiras especiais junto ao altar.  

interior da igreja

(*)Quem leu ou viu vídeos históricos sobre as obras sacras no Brasil, especialmente sobre o teto do altar mor desta Igreja do Carmo, certamente percebeu alguma malícia sobre a alegoria pintada por Jesuíno do Monte Carmelo, como sendo algo “um tanto aquém de sua capacidade artística”, mesmo assim criaram mil artifícios para julgarem a obra como espetacular, tendo em vista o autor também o ser.  

explendor

No entanto, num trabalho preliminar realizado por uma equipe de restauração em 2009, coordenada pelo historiador Carlos Gutierrez Cerqueira, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), concluiu-se que “aquilo que se vê não é exatamente o que ali se pintou”

 

Pasmou? Sim, é isso mesmo!.

Cadê a cara dos críticos agora?  

altar

Cerqueira, que há muitos anos pesquisa os forros pintados pelo padre Jesuíno do Monte Carmelo, também estudou a obra de Mário de Andrade e percebeu que a maior parte da pintura original do forro da Igreja da Ordem Terceira do Carmo de São Paulo, na capital paulista, estava oculta sob uma pintura mais nova, que tentava imitá-la, mas a descaracterizava completamente. 

altar

E, aplicando as técnicas usuais na Igreja de Itu, constatou-se que ali quase 100% da pintura original (outrora com fundo rosa que agora já é possível perceber) “estão recobertos por pinturas espúrias, bem mais novas e muito diferentes da original”. Ao nosso ver uma espécie de: “pinta por cima, imita o que ficou embaixo e seja o que Deus quiser”.

 

fachada

O assunto aborda muitas discussões das mais polêmicas e acaloradas, assim como vai dar muito o que falar e como agir num caso desses, que requer muitos estudos. Mas com certeza o bom senso e a justiça ao artista reinará, com a restauração necessária em todo o patrimônio, trazendo de volta sua originalidade. É o que esperamos.

 

O Padre Jesuíno do Monte Carmelo 

P. Jesuíno

Quando falamos em obras sacras no Brasil, a figura do grande Padre Jesuíno não pode ser esquecida e deve ser uma lição para todos nós. Jesuíno Francisco de Paula Gusmão nasceu em Santos em 25/03/1764. Foi pintor, arquiteto, escultor, encanador, mestre de obra, dourador, entalhador, mestre em torêutica, músico e poeta. Morreu em Itu em 01 de julho de 1819. 

Filho de escrava com pai branco, sempre gostou do barroco e sonhava em ser Frei da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmelo, tendo sido acolhido por essa irmandade desde tenra idade. Aprendeu, sob os auspícios dos freis, o gosto pelas artes (e serviços gerais de manutenção). Seus primeiros contatos com as tintas artísticas foi ainda em Santos.  

Igreja do Carmo em São Paulo

Como não possuía recursos financeiros não pôde estudar o latim e ingressar num seminário como sempre sonhou e acabou se casando, já na cidade de Itu. Em Itu continuou ajudando os carmelitas locais na construção da Igreja do Carmo, como outras na capital. Antes teve que dar duro para manter-se na profissão, sendo ajudante nas obras da Igreja da Candelária, que estava em construção na mesma época. 

menino Deus

Com o passar dos anos acabou enviuvando e seu sonho antigo de ser padre carmelita retornou. Com o estímulo de tantos frades, bem como de seus cinco filhos (dois foram padres) voltou aos estudos de latim recebendo a ordenação em 1797, porém, por ser mulato, com a ressalva do ex defectu natalium. (traduzindo? padre meia boca) . Foi o que ganhou pela dedicação de uma vida inteira.

 

pintura

Sua produção artística diminui após o recebimento das ordens e então começou a terceira fase de sua vida. Mesmo como padre jamais foi aceito na Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmelo, a qual se dedicou a vida toda, pelo simples fato de ser “preto e pobre”. 

Certamente desgostoso e frustrado, no fim de sua vida concebeu, junto com outros sacerdotes, inclusive seus filhos já ordenados, aquele que foi o seu maior projeto: a Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio de Itu. Para materializá-lo, esmolou como mendicante, tendo ido à Corte no Rio de Janeiro, para conseguir levantar fundos. 

Veja um pouquinho do interior da Igreja

 

Para você leitor, que gostou desse relato, principalmente da parte da pintura encoberta por artista desconhecido no teto do altar mor, veja a imagem em alta definição que fizemos, mostrando o trabalho dos restauradores para descobrirem a pintura original do P. Jesuíno.

Teto em alta definição do altar mor HD

Nossa história é nosso maior patrimônio. Precisamos preservar o passado, visando as gerações do futuro Analisem isto.

 ___________________________________________________________________________________________________

CRÉDITOS

___________________________________________________________________________________________________

textos e imagens – Marcos Duarte

mais fotos = CLIQUE AQUI

conheça nosso YOUTUBE

Endereço: Praça da Independência – Centro – fone (11) 4023-1919

 

fonte de pesquisas:  

 

________________________________________________________________________________________________

MATÉRIAS CORRELACIONADAS

________________________________________________________________________________________________

         

         

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

1 Comment

  1. Leandro disse:

    Gostei muito da matéria, aprendi coisas novas de minha cidade

Deixe um comentário