A “PRIMEIRA” NINGUÉM ESQUECE

 

Qual a primeira motocicleta fabricada no Brasil? Esse é um tema frequente no meio motociclístico e as respostas são as mais variadas possíveis: A Yamaha RD 50 em 1974/75? A Honda CG 125 na mesma época? Saiba mais.

Na verdade nem uma nem a outra empresa são pioneiras no empreendedorismo no ramo motociclístico no Brasil. Em 1951 Leon Herzog montava sua fábrica de motocicletas no Rio de Janeiro, e algum tempo depois passou a produzir o pequeno ciclomotor Gullivette, com um motor francês.

A pequena fábrica evoluiu e hoje ainda esta ativa no Brasil, porém tendo migrado de vez para o ramo da construção civil, depois da proibição de importação dos motores de países comunistas e com a chegada das “japonesas”.

Você nunca ouviu falar de uma “Gullivette”? E de uma “Leonette”? Essa última talvez já tenha visitado seus pensamentos nos comentários dos motociclistas mais antigos. Com certeza foi o primeiro veículo de duas rodas com motor de muitos pilotos veteranos, aí incluindo este repórter.

Leonette

A saga da Leonette começou com seu idealizador, o judeu-polonês Leon Herzog, falecido em janeiro de 2013 com 93 anos de idade. Conheceu o holocausto de perto, vendo seu pai ser morto pela Gestapo por não querer deixar a casa onde moravam.

Mas e as motocicletas? Essa história vem desde lá da Polônia, onde sua família já fabricava bicicletas até o país ser invadido pela Alemanha nazista. Fugiu com identidade falsa para a própria Alemanha e de lá para o Brasil, onde parentes já se encontravam refugiados.

Conhecedor do ofício, não foi difícil para o jovem Leon refazer o negócio que a família tinha na Europa, montando e vendendo bicicletas, até a construção da fábrica no bairro do Cajú, adaptando à elas, agora, pequenos motores 2T importados.

A derradeira e aperfeiçoada “Leonnete”, segundo consta, veio ao mundo em 1960 e seu nome, por óbvio, reporta ao seu fundador Leon. O brasão estampado no tanque pertencia a família do sogro.

Os primeiros modelos eram de 50cc, produzidos com duas marchas e pedais para ajudar nas subidas. O sucesso foi tanto que em 1967 a empresa passou a usar um motor Jawa 50cc, três marchas e pedal de partida. Foi a coqueluche dos anos 60, chegando até aos absurdos… 80km/h.

A decadência da “Leonette” começou a se dar com a implantação do regime militar no Brasil, que impedia a empresa de adquirir os motores utilizados, pois vinham de países comunistas. A pá de cal aconteceu depois da morte do filho de um político, pilotando uma dessas motocicletas.

Mas como Leon não desistisse nunca e já “estar no lucro” por ter superado o regime nazista, como ele mesmo disse várias vezes, a empresa deixou de vez o segmento das motocicletas e manteve-se firme no ramo da construção civil.

Mas você pensa que essa  motinha está totalmente esquecida? Ledo engano. Basta acessar um pouquinho a internet e você verá inúmeras raridades sendo exibidas em sites especializados, e até mesmo nos de compra e venda, pois há muita Leonette totalmente recuperada posta à venda à interessados na raridade.

Você já teve uma Leonette? Já pilotou uma?

Conhece alguém que tem ou teve uma dessas?

Tem alguma história envolvendo uma Leonette?

Compartilhe essas informações e poste as fotos de uma Leonette em nosso GRUPO DO FACEBOOK

VEJA MAIS FOTOS


CRÉDITOS


Texto e Edição: Marcos Duarte     

Fonte de pesquisas: Anais da industria automobilística do Brasil, jornais diversos e catálogos antigos

conheça também:

VIDEOS YOUTUBE

FOTOS DO FLICKR

FOTOS 360º  

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário