TRIKES = A GRANDE TRAVESSIA

 

O último final de semana foi bastante agitado para os triciclistas do Brasil inteiro, com grande afluxo deles para a pequena Areias, recanto bucólico do extremo leste de São Paulo, encravada na Serra da Bocaina.

O motivo? Concentrarem o maior número de triciclos numa fila ininterrupta nas curvas da estrada entre as cidades de Queluz e Areias, para alcançarem o recorde que escorreu pelas mãos em 2016.

Segundo informações recolhida dos organizadores, a origem dessa original peleja é recente e vem da China, onde uma empresa do ramo deu o pontapé inicial nessa corrida, enfileirando 141 triciclos de sua fabricação e abrindo contagem no Guinness Book. Para não deixar barato os alemães conseguiram a façanha de reunirem 151 triciclos enfileirados numa rodovia e detém o recorde que quase foi quebrado no ano passado, aqui mesmo em Areias, não fosse a falta de alguns veículos que ficaram no acampamento e não participaram da “travessia”.

O primeiro maior desfile de triciclos motorizados do mundo se deu em Tinan, no Taipé Chinês, conquistado pela AEON MOTOR CO. LTD. ocorrido em 18/06/16. Pelos registros o primeiro piloto do desfile cruzou a linha de partida às 3:44h e o último a cruzar a de chegada às 16:01, com um percurso total de 5,7km. Todos os pilotos eram Tailandeses e o veículo utilizado foi o modelo “3d-350”.

A disputa pelo topo do mundo na categoria já dura mais de dez anos para nós brasileiros, pois o Ornitorrincos MC deu o pontapé inicial para a disputa, mas no ano seguinte o evento passou a não ter mais “bandeira”. Foi sob esse novo critério que aconteceu “A Grande Travessia”, como uma das atrações do 10º Ornitorrincos Motorcycle ocorrido entre os dias 07 e 10 de julho.

Quem nos recebeu em Areias foi Magno Alves, presidente do motoclube anfitrião e responsável pela Grande Travessia. Pessoa cativante, mostrou-nos de pronto a  sede do evento instalada na Associação Rural no centro do município de Areias, que contava com palco para shows, quiosque de lanches, refeições e bebidas, além de vários pontos de venda de produtos do interesse dos participantes.

Do outro lado da rua, no campo de futebol da cidade, os triciclistas foram se acomodando com suas máquinas, reboques, barracas e bandeiras desde as primeiras horas da sexta feira que antecedeu o evento, só levantando acampamento no domingo.

No final do primeiro dia já se contavam 120 triciclos acomodados no campo de futebol, com muitos outros espalhados pelos hotéis e pousadas da cidade de Areias e cidades vizinhas, já denunciando que o recorde neste ano estava garantido.

Muitos motociclistas também deram o ar da graça, quer acompanhando membros do motoclube que pertencem, quer pelo puro prazer que o ambiente sempre respira.

Para quem nunca participou de um evento “quase” exclusivo das “3 rodas”, e para as pessoas da pacata cidade que não perdiam oportunidade de esticarem seus pescoços no alambrado do recinto, a cada chegada de um triciclo era uma festa isolada.

Sirenes das mais diversas apitando e faiscando luzes multicoloridas; alto-falantes ligados sempre com rock em alto volume; caveiras, caixões, bonecos, dragões e uma infinidade de outros penduricalhos, tudo isso comandado por um piloto normalmente caracterizado da mesma forma que sua máquina, enchiam os olhos de todos, principalmente das crianças.

Ah, as crianças! Também fomos crianças e também nos impressionávamos com tudo isso. Felizmente alguns de nós transformamos nossos sonhos em realidade e agora estamos aqui, aguçando as mentes de todos para a liberdade… com responsabilidade.

Responsabilidade sim, pois atrás de cada um daqueles “caras mal encarados” aos olhos profanos, sempre há um pai de família amoroso, um médico, um advogado, um juiz de direito, um delegado de polícia, um comerciante… enfim, trabalhadores que labutam no dia a dia sem perderem o encantamento pelo mundo mágico dos triciclos, das motocicletas, etc.

Por falar em pais de família, pudemos ver famílias inteiras por lá. Desde pequeninos de pouco tempo de vida aos mais experimentados, como foi o caso da vovó Mariazinha, com 82 anos de idade e que, segundo ela, “passou agora para o banco de trás do triciclo”  e hoje acompanha filho, neto, nora, etc.

Um grupo de mineiros chegando por aqui, outro de cariocas chegando por lá; Brucutu e seu triciclo de 25 anos chegando de S. Leopoldo, no RS e outros triciclistas de muitos estados do Brasil… Brasil? Quando olhamos a nossa volta vimos que um par deles acabara de chegar de… Montevidéu. 

Com o passar da hora e o fim das apresentações musicais, o melhor a fazer era nos acomodarmos em nossas barracas ou trailers e aguardarmos o sono reparador tomar conta de todos, afinal, o dia seguinte seria de muita ação.

Se na sexta o agito já estava alto, no sábado pela manhã a cidade de Areias se entupiu de “gente esquisita”. Coletes, escudos, pins, chapéus de todos os formatos desfilavam com seus donos pelo pequeno centro comercial, disputando com o desfile oficial em comemoração ao dia 9 de julho, com bandas, escolas e muita gente.

A cidade fervilhava de gente quando todos triciclistas receberam o convite para se concentrarem nas imediações da cidade de Queluz, que fica a 12 km de distancia, para que pudesse haver o cadastramento de todos os veículos e seu enfileiramento para o evento, que aconteceria impreterivelmente às 16h.

A recomendação oficial é que o “trem” fosse composto apenas e tão somente por triciclos, não deixando espaços vazios entre eles para que algum outro veículo pudesse ingressar na fila e, com isso, prejudicar a obtenção do recorde mundial.

O acostamento da pequena estradinha ficou com fila quilométrica de triciclos e motocicletas que se incumbiram de “policiar” o evento para que tudo desse certo, porém, nem sequer um único policial, rodoviário ou não, se fez presente na ocasião, restando toda a disciplina a cargo dos participantes.

Para o cadastramento o local escolhido foi uma usina de areia na cidade de Queluz, distante cerca de 2km da pista por uma estrada de terra em aclive acentuado, o que deu uma pitada a mais de emoção ao evento e aos moradores da pequena comunidade onde passaria o comboio.

A festa atraiu toda a criançada da vila e muita gente grande, que fizeram até coro para recepcionarem os triciclistas e suas máquinas fantasmagóricas que subiam uma a uma montanha acima, com ronco ensurdecedor e muita poeira.

Enfim o alarme soou. Às 16h em ponto a imensa fila desfilou por 10km até o Pórtico da Cidade, onde se concentravam muitas pessoas que aos apupos, recebiam os heróis da 10ª Grande Travessia, que acabavam de conquistar o recorde mundial, com 305 veículos em fila única e…. em movimento.

ACOMPANHE A FESTA DA TRAVESSIA

O mais difícil foi Areias digerir tantos triciclos e gente de uma única vez só. O centro da pequena cidade teve seu momento de metrópole, com direito a rush no final da tarde.

Com a chegada de todos a festa se completou com muita música, alegria e participação maciça da comunidade local, que acabou se encantando com tudo que acontecia.

A 11ª Grande Travessia já tem data certa para acontecer: 13 e 14 de julho de 2018.

 

CONFIRA AQUI TODAS AS FOTOS DO EVENTO

         

        

 

ASSISTA AO VÍDEO INTEGRAL DA GRANDE TRAVESSIA (Histórico)

 


CRÉDITOS


Texto e Edição: Marcos Duarte     

conheça também:

VIDEOS YOUTUBE

FOTOS DO FLICKR

FOTOS 360º  

 

Deixe um comentário

comentários

Jornalista, advogado e editor do Portal D Moto, já foi colaborador da Revista Moto Adventure e do Portal Damas Aladas, trazendo imagens e textos dos mais diversos segmentos do motociclismo, já que pilota há mais 44 anos.

Deixe um comentário